fbpx

saiba mais sobre a prática sexual que está na boca do povo

Prática proporciona prazer aos casais, dizem especialistas

Foto: Shutterstock / Alto Astral

Uma cena picante de Verdades Secretas 2 tem causado polêmica – e curiosidade – entre o público. Numa sequência bem tórrida de sexo, Giotto (Johnny Massaro) dá um beijo grego em Mateus (Bruno Montaleone). O nome, para quem não conhece a prática, significa fazer carícias com a boca e a língua na região anal do parceiro. O nome surgiu por conta das experiências bastante comuns nas orgias que aconteciam na Grécia Antiga.

Mas, afinal, o beijo grego é bom, mesmo? É seguro? Para responder 6 dúvidas sobre o assunto, ouvimos os terapeutas sexuais Eduardo Perin e Ricardo Desidério. Confira!

Por que o beijo grego é polêmico?

Tudo o que envolve a região anal no sexo acaba resultando em polêmica, por conta de tabus, questões religiosas e até culturais. O ânus, no entanto, é uma região erógena como tantas outras do corpo. E, segundo especialistas, não há nada de errado ou “anormal” no beijo grego, carícia bastante que pode servir ou não como preliminar para relações hetero ou homossexuais.

O beijo grego exige cuidados prévios?

A higiene é fundamental, tanto na parte interna quanto externa do ânus, principalmente para as pessoas em que a região apresenta mais pelos. Há quem adote o plástico filme para beijar ou lamber o ânus do par de forma mais segura.

Há riscos para a saúde?

Não podemos esquecer que, por maiores que sejam os cuidados, a região anal é por onde passam as fezes. Assim, há o risco de o beijo grego transmitir algumas Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) como hepatite, herpes genital, sífilis e HPV, principalmente se um dos parceiros apresentar alguma lesão na boca ou no ânus. Por isso, quaisquer sinais diferentes após a prática é importante procurar um especialista.

A prática promete mesmo prazer?

Tudo o que envolve o sexo precisa, em primeiro lugar, do consentimento dos envolvidos para que a experiência seja saudável. Algumas pessoas podem sentir nojo ou repulsa pela prática, outras não gostam do estímulo recebido. No entanto, é importante saber que o ânus é uma região sensível, rica em muitas terminações nervosas e que, ao ser tocada – principalmente com a boca e a língua – pode despertar muito prazer.

O que pode tornar o beijo grego mais gostoso?

A conexão com o par e o tesão do momento contribuem muito para a experiência do beijo grego ser intensa e excitante. Outra dica é saber identificar os limites do outro, por isso a intimidade é essencial. Nem todo mundo irá ter o mesmo prazer que você. Por isso é preciso se permitir e ir se descobrindo. Para quem deseja ousar e ir além, há diversos géis com sabor à venda em sex shops que podem tornar o beijo grego mais gostoso. Camisinhas próprias para língua, principalmente as texturizadas, também são uma boa pedida.

Fontes: Eduardo Perin, psiquiatra especialista em Sexualidade, e Ricardo Desidério da Silva, educador e terapeuta sexual.

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais