Seis lições que as crianças compartilham no dia delas

É dia das crianças! Data bonita e de boa energia. Além do conselho indispensável: beije, abrace sua criança – tenha ela a idade que tiver! Gostaria de indicar outra possibilidade de aproveitamento da comemoração de hoje num sentido de crescimento espiritual. 

Seis lições que as crianças compartilham no dia delas

Foto: Reuters

Vamos compreender como as crianças – de qualquer idade (insisto, trata-se aqui de ter um espírito jovem) – podem ajudar em nossa caminhada. Destaco alguns pontos para reflexão de mente e coração. 

Um: incrível notar como as crianças são imunes a qualquer crise, à própria ideia mesmo de crise. Por mais profunda que seja a crise, elas não estão nem um pouco preocupadas, seguem brincando e refazendo a vida a cada momento.

Dois: elas são pura energia de renovação, esperança de vida despregada de qualquer pesadelo político ou econômico. Se estamos o tempo todo mergulhados nos problemas, elas acenam como superação.

Três: ninguém como as crianças para mitigarem o desespero tão comum nesse mundo do estresse, cheio de doenças (reais e metafóricas), sofrimentos (físicos e psicológicos), tristeza e solidão. Elas são sinônimo de cura e bem-estar.

Quatro: como exemplo de capacidade de comunicação, confiança e altruísmo, não encontro melhor exemplo do que as crianças. Elas sabem dialogar e se expressar de uma maneira que deveríamos permitir que nos inspirasse, deveríamos copiar. 

Cinco: numa civilização cheia de máquinas e robôs, a importância da ingenuidade e da espontaneidade ganha potencial. Sobre o planeta o pensamento (racionalidade) e a “consciência” já fizeram muito, as crianças defendem a força da intuição, do emocional, da espontaneidade: armas poderosas que precisamos aprender a empregar melhor. 

Seis: por fim elas são poderosas portadoras de alegrias e felicidades, resgatam muito do que fomos e tivemos – por contingências variadas no percurso da vida – que silenciar. Mesmo com aquela inevitável dose de incerteza, as crianças mostram que há vida antes da morte. Isso mesmo: para elas não importa tanto assim se há vida após a morte, elas querem fazer valer a pena as coisas daqui mesmo – e nisso nos inspiram. 

Por todos esses motivos… e tantos mais que você pode encontrar, vamos comemorar: vivas! 

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

Pet Terapia ajuda no tratamento de crianças

 

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – VIDA E ESTILO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: