fbpx

Senado retira de pauta propostas que derrubam decretos de Bolsonaro sobre armas | Política

Fotos Públicas

Pautas relacionadas a armas de fogo são algumas das principais bandeiras do presidente Bolsonaro

Quatro propostas legislativas do PT
que visam sustar efeitos do decretos de armas do presidente Jair Bolsonaro
(sem partido) saíram da pauta do Senado
Federal nesta quinta-feira (8). O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco
(DEM-MG) atendeu a solicitação do relator, senador Marcos do Val
(Podemos-ES), que justificou que o momento para votação não é adequado por causa da pandemia.

Como os projetos não foram votados, as regras passem a valer a partir da próxima segunda-feira. A oposição reagiu e se indignou com a decisão. Para especialistas, os textos dificultam a fiscalização e favorecem o armamento do crime organizado. Os decretos, editados em 12 de fevereiro, flexibilizam as regras para compra, registro e porte de armas no país, além de munições e equipamentos para a fabricação de munições caseiras.

Um deles define que cidadãos podem adquirir até seis armas. Antes, eram quatro. Para profissionais da segurança pública, o número de armas salta para até oito. Já policiais, juízes, desembargadores, integrantes do Ministério Público e agentes do sistema prisional poderiam comprar duas para uso restrito.

Aliado a Bolsonaro, Marcos do Val é instrutor policial e consultor na área de segurança. Em 2017, ele criou um prêmio para o setor armamentista, com patrocínio de fabricantes de armas como a Taurus e a CBC. Dois anos depois, foi relator de projetos de decreto legislativo para barrar uma primeira leva de decretos assinados Bolsonaro sobre o assunto. Na época, o parecer dele foi derrubado e foram aprovados os projetos que buscavam sustar os decretos do presidente. Bolsonaro recuou com a edição de novos textos em seguida.

A tentativa de revogação dos decretos também levou a ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) no Supremo Tribunal Federal (STF), impetrados por organizações que trabalham em prol dos direitos humanos. As ações, sob a relatoria da vice-presidente da Corte, Rosa Weber, devem ser liberadas para julgamento a partir do dia 16, quatro dias depois de os decretos entrarem em vigor.

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais