fbpx

Tabata Amaral critica “perseguição política” da esquerda após voto a favor da reforma

(Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

SÃO PAULO – A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) escreveu em artigo para a Folha de S. Paulo que a extrema esquerda está enclausurada em suas amarras ideológicas. O artigo é uma resposta à reação negativa a seu voto a favor da reforma da Previdência. 

Tabata, assim como outros sete deputados do PDT que votaram a favor das mudanças na aposentadoria, foram ameaçados de expulsão pelo presidente do partido, Carlos Lupi. 

Ela também sofreu represálias de outro pedetista, o ex-candidato à presidência da República, Ciro Gomes. 

“Não acho, francamente, que ela tenha mais lugar para ficar no PDT. Não está no partido correto. Ela, pessoalmente, deveria ter a dignidade de sair”, disse político, que em 2018 almoçou na casa da família de Tabata, na Vila Missionária, bairro da periferia de São Paulo, para o lançamento da candidatura da deputada.  

Em seu artigo, Tabata lembrou que 11 deputados do PSB, outro partido de esquerda que fechou questão contra a reforma, acabaram votando a favor do texto.

“Não estamos falando de dois ou três parlamentares, mas de praticamente um terço das bancadas de duas relevantes siglas que ocupam posição mais ao centro no espectro da esquerda. A expressividade dessa dissidência acendeu ao menos a luz amarela nas estruturas?”, questionou. 

Tabata entende que há “perseguição política” a quem decida tomar uma decisão que considere responsável e fiel ao que acredita ser importante para o país. “Ofensas, ataques à honra e outras tentativas de ferir a imagem tomam lugar do diálogo. Exatamente o que vivo agora.”

Receba com exclusividade todas as edições do Barômetro do Poder e fique por dentro do que os maiores especialistas da política estão esperando para o futuro do país. É grátis!

Fonte: INFOMONEY

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!