fbpx

Teste rápido: Honda WR-V 2021 é SUV de entrada com versatilidade única

O Honda WR-V estreou há pouco mais de três anos, sobre a base do Fit, para incrementar a gama de SUVs da marca no Brasil. Agora, em um retoque de metade de ciclo de vida, o Honda WR-V 2021 traz alterações pontuais no visual e nos conteúdos – e, de quebra, estreia a inédita opção de entrada LX.

A dianteira das versões EX e EXL receberam faróis com projetores em LED e iluminação diurna (DRL), grade do radiador com desenho mais horizontal e porção cromada diminuída, além de luzes de neblina (também de LED) circuladas por novas molduras. Atrás, destaque para as novas lanternas de LED, o friso da placa pintado na cor da carroceria (antes era cromado) e o para-choque, que cresceu 67 mm em relação ao do antecessor.

Desta forma, o comprimento da carroceria passou a 4,068 m. Outras novidades do Honda aparecem nas rodas de 16” escurecidas e na introdução da tonalidade metálica azul Cósmico – já disponível no HR-V e no Civic.

O SEGREDO É A CABINE

Apesar de tudo isso, um dos pontos altos do WR-V continua sendo a habitabilidade e a versatilidade do seu interior, que ganhou uma injeção de ânimo. Dentro da cabine, as mudanças aparecem no volante que agora tem molduras cromadas, controles e raios em preto brilhante (mesma cor das saídas de ar).

Há também nos novos tecidos nos bancos das versões LX (R$ 84.900) e EX (R$ 91.800) – na EXL (R$ 96.200), eles têm revestimento em couro e costuras em preto. O sistema Magic Seat está presente em toda a família, permitindo configurar os assentos em quatro posições para transportar objetos volumosos.

Há aletas para trocas entre as marchas do CVT (simuladas) e ar-condicionado digital. A central multimídia é apenas mediana

MAIS SEGURANÇA, ENFIM

Também novidade em toda a linha Honda WR-V são os itens de segurança: controles eletrônicos de tração e estabilidade, o assistente de partidas em rampas, o monitoramento da pressão dos pneus e as luzes de frenagem de emergência. Ainda falando do bem-estar dos ocupantes, a LX oferece os airbags frontais, enquanto a EX e EXL trazem quatro e seis bolsas de ar, respectivamente.

ME CÂNICA CONSAGRADA

Nosso primeiro contato com o WR-V 2021 foi na pista de testes do fabricante A parte mecânica não sofreu alterações: o SUV continua com o motor 1.5 aspirado associado a câmbio continuamente variável (CVT). Esse conjunto agrada tanto pelo funcionamento suave quanto por entregar uma dirigibilidade condizente à proposta.

O espaço interno do WR-V impressiona. Como o tanque fica abaixo do banco do motorista, o banco traseiro é rebatido bem para baixo (ou você pode elevar o assento para carregar objetos altos)

O Honda tem bom fôlego desde baixos giros, e a condução é beneficiada pelas respostas bastante progressivas. Não é para quem procura emoção ao volante, mas para quem deseja tranquilidade em deslocamentos urbanos. Somente ao exigir mais do pedal do acelerador é que o ruído do propulsor invade a cabine, mas nada fora do normal.

A boa dinâmica é assegurada pelas suspensões dotadas de amortecedores, buchas, subchassis, eixo traseiro e pneus diferentes dos encontrados no Fit, que serve de base ao WR-V, permitindo uma pitada de estripulias nas curvas. Já os bons ângulos de entrada (21º), de saída (30,1º) e os 20,7 cm de altura livre do solo permitem transpor valetas ou lombadas e encarar estradinhas de terra sem dor de cabeça.

Na hora de manobrar em locais apertados, o raio de giro de 5,3 m e a leveza da direção assistida eletricamente ajudam. Com o Honda WR-V 2021, a marca segue mirando nos SUVs de entrada, como os novos VW Nivus e Chevrolet Tracker 1.0, além dos conhecidos Ford EcoSport e Nissan Kicks.Honda WR-V

Honda WR-V EXL 2021

Preço básico R$ 84.900
Carro avaliado R$ 96.200

Motor: quatro cilindros em linha 1.5, 16V, comando variável
Cilindrada: 1497 cm³
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 6.600 rpm (g) e 116 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 15,2 kgfm a 4.800 rpm (g) e 15,3 kgfm a 4.800 rpm (e)
Câmbio: automático CVT, modos Sport e Low
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) eixo de torção (t)
Freios:
disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,068 m (c), 1,734 m (l), 1,599 m (a)
Entre-eixos: 2,555 m
Pneus: 195/60 R16
Porta-malas: 363 litros
Tanque: 45,3 litros
Peso: 1.138 kg
0-100 km/h: 11s5 (e)
Velocidade máxima: 175 km/h
Consumo cidade: 11,7 km/l (g) e 8,1 km/l (e)
Consumo estrada: 12,4 km/l (g) e 8,8 km/l (e)
Emissão de CO2 111 g/km
Com etanol = 0 g/km
Consumo nota C
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: C (SUV Compacto)

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar

!function(f,b,e,v,n,t,s)
{if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;
n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,’script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘2641197072803735’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.9&appId=205286206664408”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: Motorshow

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!