fbpx

‘Tive medo de dormir e não acordar mais’, diz vítima da dengue

SOROCABA – A operadora de telemarketing Solange Fabrício Marques, de 32 anos, ficou sete dias de cama depois de pegar dengue, em Sorocaba, interior de São Paulo. “Foi muito forte mesmo, achei que ia morrer. Dava um sono incontrolável, mas eu tinha medo de dormir e não acordar mais”. Ela conta que os sintomas apareceram em maio, quando começou a sentir dores nas articulações, moleza no corpo e “vontade de não fazer nada”.

Solange passou por consulta no posto de saúde próximo do bairro onde mora, o Parque Esmeralda, na zona oeste da cidade, e recebeu o diagnóstico de dengue. “Estava desconfiada, pois já tinha febre alta, as dores nas pernas e nos braços ficaram mais intensas, doíam os ossos e eu não conseguia ficar em pé. Minha mãe precisava me ajudar para ir ao banheiro. Ela chegou a me levar carregada e me dava banho”, conta.

Logo apareceram bolinhas vermelhas no corpo e, no final da doença, ela passou a sentir muita coceira. “Aí, o sono sumiu. Era tanta coceira, principalmente nos pés e na palma das mãos que eu não conseguia dormir e ficava de madrugada no banheiro, lavando o corpo com água fria.” Durante todo o período, ela tomou soro para hidratação e controlou a febre com antitérmicos. “Não adiantava muito, tive que esperar o ciclo da doença terminar.”

A operadora disse que os agentes da saúde foram à sua casa, mas não encontraram focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. “Eles examinaram as garrafas vazias, alguns vidros, até o reservatório da geladeira e não tinha nem larva. O Aedes voa, pode ter vindo de alguma casa vizinha.”.

O pai de Solange, o locutor Elieser Fagundes Marques, de 52 anos, que na época não morava na mesma casa, também pegou dengue um mês depois. “Fiquei tão ruim que, quando chegava gente, não conseguia me levantar para abrir a porta.” Ele disse que passou a tomar muito cuidado para não correr o risco de pegar de novo. “Se a gente volta a ter, fica mais grave. Fico de olho em possíveis focos do mosquito. Não dá para brincar com a dengue”, afirmou.

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – VIDA E ESTILO

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!