fbpx

Unidos, jovens de todo mundo pedem fim de mutilação genital feminina

Cientes de que os problemas que não são falados permanecem intocados por mais tempo, eles querem gerar a maior quantidade possível de conversas a respeito

access_time

28 jul 2018, 15h47 – Publicado em 28 jul 2018, 15h40

São Paulo – Em um movimento sem precedentes, milhares de jovens participantes do grupo Juventude Africana pedem o fim da Mutilação Genital Feminina (MGF)  e eles pretendem convencer os governos que permitem essa prática por meio de “um milhão de conversas”.

A campanha, que está sendo apoiada pela The Girl Generation, um coletivo global liderado pela África, começou na última segunda-feira (23) e reúne jovens de todo o mundo comprometidos em acabar com a MGF postando vídeos e imagens nas mídias sociais usando as hashtags #Ihavespoken e #EndFGM a fim de gerar reconhecimento do problema e também angariar mais apoio.

Cientes de que os problemas que não são falados permanecem intocados por mais tempo, eles querem gerar a maior quantidade possível de conversas a respeito.

Esse tipo de violência contra crianças e mulheres ainda ocorre em pelo menos 30 países da África e do Oriente Médio, além da Ásia e em comunidades emigrantes na Europa, América do Norte e Austrália.

A mutilação genital feminina é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como todos os procedimentos que envolvem a remoção parcial ou total dos órgãos genitais femininos externos ou que provoquem lesões nestes órgãos por razões não médicas. 

A prática é reconhecida internacionalmente como uma violação dos direitos de mulheres e meninas e, segundo a OMS, reflete a desigualdade profundamente arraigada entre os sexos, constituindo uma forma extrema de discriminação contra as mulheres.

Além da dor e sofrimento envolvidos no processo, o procedimento gera consequências para a saúde a longo prazo, às vezes envolvendo até mesmo infertilidade. Infecções e cistos da bexiga e trato urinário não são incomuns. É difícil saber o número exato de mulheres e meninas que foram submetidas a este tipo de procedimento no mundo. 

Veja alguns dos posts da campanha nas redes sociais:

http://platform.twitter.com/widgets.js(function(d){var id=”facebook-jssdk”;if(!d.getElementById(id)){var js=d.createElement(“script”),ref=d.getElementsByTagName(“script”)[0];js.id=id,js.async=true,js.src=”https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js”,ref.parentNode.insertBefore(js,ref)}})(document)https://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte: Exame

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!