Vale a pena estudar APENAS por questões?

E aí, futuro(a) aprovado(a). Tudo bem?

Eu sempre recebo esse tipo de dúvida. Eu vou dar uma resposta que pode te deixar preocupado(a).

E a resposta é: dependendo do concurso, você não pode estudar apenas por questões.

O que acontece ao estudar por questões: você fixa o conteúdo estudado anteriormente ou, até mesmo, aprende assuntos mais teóricos e fáceis por meio das resoluções e comentários. Hoje ninguém passa (ninguém) sem praticar muito. Não existe maratonista que só leu livros e manuais e nunca foi para a rua correr, né? Ou um médico que só leu a teoria? Um policial que nunca deu um tiro de verdade, ou um enfermeiro que não aplicou uma injeção em uma criança revoltada… 🙂

É por isso que precisamos conhecer todas as armas do concurseiro que é aprovado e entender como você deve usá-las. Essa nossa conversa é sobre isso. Vamos lá?

Eu vou conseguir uma boa pontuação ao estudar apenas por questões?

Você vai conseguir uma ótima pontuação! Os problemas acontecem quando a Banca desvia, um pouco, do seu formato tradicional.

Você. que faz muitas questões, já sabe que cada Banca tem seus temas preferidos. Em Raciocínio Lógico, por exemplo, o Prof. Arthur Lima sempre comenta que a FCC adora “Raciocínio Matemático” e o CESPE ama “Lógica de Proposições”.

E quando você vai ao Qconcursos e filtra as questões por Banca, começa a perceber isso de forma bem clara. Você passa a conhecer a Banca. É tipo um namoro. Depois de um tempo você já sabe todas as manias do(a) amado(a).

E aí, o que você faz? Faz todas as questões da Banca e esquece (ou não tem tempo) de dar uma olhadinha em assuntos que ela pouco cobrou no passado. E são essas questões, que podem aparecer na sua prova, que podem fazer diferença em sua pontuação final.

Mas, calma lá: esse recado (olhar assuntos poucos cobrados pela Banca, mas listados no edital), só vale para as pessoas que já estão bem nos itens já esperados – aqueles mais cobrados historicamente.

Recentemente, o Direção Concursos e o Qconcursos organizaram um simulado para o concurso do Tribunal Regional Federal da 3° Região. E olha o que eu fiz: coloquei uma questão que nunca foi cobrada pela FCC (banca do TRF3), mas que já apareceu 13 vezes nos últimos 5 anos, por 4 bancas diferentes, inclusive o CESPE.

Repito: nunca foi cobrado pela FCC, apesar de estar nos editais da FCC!

Se você estivesse estudando apenas por questões FCC, nunca teria estudado esta parte da matéria. Basta notar o índice de erros do Simulado. Essa galera, provavelmente, não estudou a teoria e pode levar um susto no dia da prova.

E como eu posso suprir estas dificuldades e complementar meus estudos?

Você sabe que as Bancas têm aprofundado a cobrança nos concursos. O que você precisa fazer, no mínimo, é:

  1. Dominar os assuntos mais cobrados pela Banca;
  2. Estudar todos esses assuntos e fazer muitas questões;
  3. Selecionar e organizar, em cadernos do Qconcursos, as questões que mereçam ser refeitas (por serem difíceis ou por você ter errado)
  4. Você não deve refazer todas as questões de novo (deve refazer as do item 3)
  5. Por exemplo: você estudou Atos Administrativos e achou muito fácil. Mesmo assim, selecione uma questão de cada subtópico para revisar.
  6. Agora, você já organizou toda a sua vida em torno dos assuntos mais cobrados.

É agora que entra a importância de sair dos 70-80% de resultado nas provas para o percentual que te deixa dentro das vagas!

Como faço para aumentar meu índice de acertos e ficar dentro das vagas?

Considerando que você já leu tudo e fez sua parte:

Estudo da teoria + questões + revisões

Podemos ir um pouco mais fundo e entender que essa é a hora em que você precisa descobrir os pontos da Teoria que não foram dominados (por não serem, ainda, os queridinhos da Banca). Mas e se ela decide incluir novos temas preferidos justo na sua vez? Quando isso acontece, o pessoal costuma dizer que a “prova foi muito difícil”. Às vezes, foi isso mesmo. Em outras vezes, não. O que aconteceu foi apenas uma cobrança nova (de algo que estava no edital).

Para aumentar seu índice de acertos, na prova, é necessário reservar parte do seu tempo para estudar temas que estão no edital e que são pouco cobrados. E como você vai estudá-los?

Por materiais escritos ou em videoaulas.

Materiais escritos podem ser estudados por apostilas, livros ou PDFs. Os PDFs têm sido os preferidos de milhares de aprovados, por diversos motivos:

  • professor consegue atualizar rápido e disponibilizar aula – sem depender de editora.
  • os conteúdos são personalizados de acordo com o edital
  • há muitas questões comentadas para te ajudar a fixar o conteúdo
  • a portabilidade ajuda, pois você pode estudar pelo celular, tablet, computador ou papel
  • as aulas são mais didáticas e com linguagem mais simples que livros

Digamos que você já estude por eles, ou tenha se convencido de minha explicação. Você precisará voltar em seus PDFs já estudados, ou não, e procurar os assuntos que você não domina. E os assuntos que a Banca cobra pouco (mas que pode passar a cobrar).

Esse é o processo de aprendizagem do mundo real, sem atalhos. É assim que você aprende e melhora. E evita surpresas no dia da prova.

Como faço para aumentar meu índice de acertos no geral?

Bom, agora você já mesclou o estudo por PDFs às questões. Você avançou para o grupo de 5% das pessoas que têm chances reais de aprovação nos concursos mais concorridos.

Agora, você precisa listar todos os assuntos em mais erra (basta usar os filtros do Qconcursos ou verificar os PDFs em que têm mais dificuldade).

Digamos que você perceba que não sai dos 70% em Português. Aí, você faz o mapeamento e percebe que o seu problema é com crase. Essa é a hora de selecionar 50 questões e perceber em que parte do estudo da crase seu erro ocorre.

É nesse momento que você vai recorrer, mais uma vez, ao uso do seu PDF. E agora, ao estudar logo depois de ser maltratado pelos erros, o conhecimento vai impregnar, grudar na sua memória. Essa é a hora certa de fazer um reuminho (só com as regras de crase que você sempre errava).

Todos os dias, antes de estudar Português, você vai ler esse mini resumo. E vai fazer isso com todos os seus “pontos fracos”. Em algumas semanas, os pontos fracos vão se tornar suas fortalezas e diferenciais.

Mas eu só posso estudar por PDFs?

Claro que não! Todos os cursos em PDF, do Direção Concursos, são acompanhados de videoaulas! Afinal, há assuntos que a gente só aprende com um professor que segure em nossa mão. Eu comecei estudando Matemática e afins, por videoaulas. Só depois de me sentir seguro é que fui para os PDFs. Já as matérias de Direito, eu sempre estudava por PDFs.

E agora?

Agora eu quero que você reorganize seus estudos. Nuca estude só por PDFs, só por videoaulas ou só por questões. É a união, na medida certa, que fará sua aprovação acontecer. É por isso que alguns estudam muito e não passam e outros estudam menos tempo, e passam. Eles não são gênios. Mas conseguiram fazer a dosagem perfeita dessas 3 ferramentas.

E você? Como está organizando seus estudos? Deixe seu comentário aqui e me segue lá no Insta, beleza? (@profronaldofonseca)

Um abraço e até o próximo artigo (sugestões são bem-vindas).

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: