fbpx

Veja quando a seletividade se transforma em transtorno alimentar

Você é chamado de ?chato? quando o assunto é alimentação? Costuma privilegiar exclusivamente alguns alimentos em detrimento de outros constantemente? Pois, quando a seletividade alimentar é muito severa e causa prejuízos à saúde, entra na classificação de transtorno alimentar restritivo (Tare).

O problema só em 2013 foi caracterizado como distúrbio, quando a Associação Americana de Psiquiatria o incluiu na última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM). Com essa mudança, o Tare passou a ser considerado uma disfunção propriamente dita e com sintomas mais claramente definidos.

Ele é caracterizado por persistentes perturbações alimentares, que levam a um aporte nutricional e energético insuficiente. Segundo o DSM, elas são qualificadas por intensa falta de interesse pela alimentação e pela comida, pouco apetite, evitar dos alimentos com base nas suas características sensoriais – como cor, textura e cheiro.

Há ainda recusa alimentar por medo, o que está relacionado a alguma experiência aversiva ocorrida na hora da refeição – asfixia e vômitos são algumas.

Características

No geral, quem sofre do transtorno tem mais restrição a frutas, legumes e verduras, preferência por carboidratos e alimentos processados e industrializados, e se nega a experimentar novas comidas.

Somado a isso, o portador de TARE quase sempre apresenta perda significativa de peso – ou falta de ganho de peso -, atraso no crescimento (no caso de crianças) e deficiência nutricional importante, podendo ser necessário receber suplementação.

Interferência

Em muitos casos, ocorrem mudanças no dia a dia da pessoa, em casa, na escola e no trabalho. Ela deixa, por exemplo, de participar de eventos, festas e encontros por causa da comida, e acaba se afastando do convívio social e familiar. Tudo isso favorece o surgimento de quadros de depressão e ansiedade.

O transtorno alimentar restritivo/evitativo costuma surgir na infância e alguns indivíduos o mantêm na idade adulta. Inicialmente, ele até pode ser interpretado com uma alimentação mais exigente, algo comum nas primeiras fases da vida.

A disfunção também pode ser confundida com anorexia ou bulimia, mas, diferentemente delas, as alterações alimentares provocadas não são influenciadas por nenhuma insatisfação ou distorção corporal.

Tratamento multidisciplinar

Para o diagnóstico do Tare, é recomendado que os pais de crianças ou adolescentes que apresentam forte restrição alimentar e alterações no comportamento e na saúde, bem como os adultos com o mesmo quadro, procurem diretamente um psiquiatra.

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – SAÚDE

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!